PARADIGMAS DA COMPLEXIDADE NA EDUCAÇÃO - ENTRE O MÉTODO TRADICIONAL E AS METODOLOGIAS ATIVAS

Autores

  • Ana Paula Oliveira Becker Alvarenga Faculdade Tecnológica Alfa de Umuarama

Palavras-chave:

Revoluções educacionais;, Ensino-aprendizagem;, Aprendizagem significativa.

Resumo

O presente estudo visa promover uma reflexão acerca das metodologias de ensino-aprendizagem empregadas nos últimos séculos, bem como discutir a sua eficácia diante de uma sociedade globalizada e moderna, exigindo mudanças de paradigmas para uma metodologia mais ativa que proporciona um aprendizado mais significativo que possa acompanhar os velozes avanços das tecnologias de informação e comunicação que ocorreram no século XXI fazendo com que haja uma transformação no âmbito educacional, modificando os papéis em sala de aula. Este processo educativo é um paradigma complexo, pois propõe uma visão de indivíduo que participa da construção do conhecimento, trazendo maior autonomia ao discente.

Referências

ARAÚJO, Ulisses Ferreira. Temas transversais, pedagogia de projetos e as mudanças na educação. São Paulo: Summus, 2014.

BACICH, Lilian; MORAN, José. Metodologias Ativas para uma Educação Inspiradora: uma Abordagem Teórico-Prática [recurso eletrônico]. Porto Alegre: Editora Penso, 2018. Disponível em: https://books.google.com.br/books/about/Metodologias_Ativas_para_uma_Educa%C3%A7%C3%A3o.html?id=TTY7DwAAQBAJ&printsec=frontcover&source=kp_read_button&redir_esc=y#v=onepage&q&f=false. Acesso em: 15 de junho de 2022.

BEHRENS, Marilda A. O paradigma emergente e a prática pedagógica. Petrópolis: Vozes, 2005.

BEHRENS, Marilda Aparecida. OLIARI, Anadir Luiza Thomé. A Evolução dos Paradigmas na Educação: Do Pensamento Científico Tradicional A Complexidade, 2007. Diálogo Educação, Curitiba, v. 7, n. 22, p. 53-66, set./dez. 2007 Disponível em: https://periodicos.pucpr.br/index.php/dialogoeducacional/article/viewFile/4156/4072. Acesso em: 20 de junho de 2022.

BERBEL, Neusi Aparecida Navas. As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas, Londrina, v. 32, n. 1, p. 25-40, jan./jun. 2011. Disponível em: file:///C:/Users/apbec/OneDrive/%C3%81rea%20de%20Trabalho/Aninha/Mestrado/Adilson%20Anacleto/10326-49335-1-PB.pdf. Acesso em: 01 de julho 2022.

ESTEVE, J. M. (2004). A terceira revolução educacional: a educação na sociedade do conhecimento. São Paulo, SP: Moderna, 2004. 207p.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 20 ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GADOTTI, Moacir. Qualidade na educação: uma nova abordagem. São Paulo: Editora e Livraria Instituto Paulo Freire, 2010.

LAIDI, Zaki. Globalização e Universalidade. In: MENDES, Candido (Org.). Representação e complexidade. Rio de Janeiro: Garamond, 2003, p. 183-.199.

MORIN, Edgar. A necessidade de um pensamento complexo. In: MENDES, Candido (Org.). Representação e complexidade. Rio de Janeiro: Garamond, 2003, p. 69-77.

_____________. Epistemologia da complexidade. In: SCHNITMAN, Dora Fried (Org.). Novos paradigmas, cultura e subjetividade. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996b.

______________. O paradigma da complexidade. In: MORIN, Edgar. Introdução ao pensamento complexo. Lisboa: Instituto Piaget, 1990.

VEIGA-NETO, Alfredo. Olhares... In: COSTA, Marisa Vorraber (Org.). Caminhos investigativos: novos olhares na pesquisa em educação. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

Downloads

Publicado

2022-09-30

Edição

Seção

Resumo Expandido