As REFLEXÕES ACERCA DOS CAMPOS DE EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL, EIXOS ESTRUTURANTES E AVALIAÇÃO A PARTIR DA BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR

REFLEXÕES ACERCA DOS CAMPOS DE EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL, EIXOS ESTRUTURANTES E AVALIAÇÃO A PARTIR DA BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR

Autores

  • Cinthia Caciéle Matusaiki Unialfa
  • Vânia Karoline Unasp

Palavras-chave:

Avaliação; Educação Infantil; MMetodologias Ativas; BNCC.

Resumo

O artigo tem por objetivo tecer algumas reflexões acerca da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), no contexto da educação infantil de forma a explorar os Campos de Experiências. As propostas apresentadas são reflexões de como desenvolver os objetivos de aprendizagem além de assegurar os direitos de aprendizagem e desenvolvimento, discutindo possibilidades e permitindo uma visão geral do processo de avaliação como um elemento fundamental, tanto para o educando, dentro do seu processo de desenvolvimento, quanto para o professor, como o agente condutor das práticas desempenhadas.

Referências

Andrade, Márcia Siqueira de. (2006). Ensinante e aprendente: a construção da autoria de pensamento. Construção psicopedagógica, 14(11) Recuperado em 10 de setembro de 2021, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-69542006000100005&lng=pt&tlng=pt.

BARBOSA, Maria Carmen Silveira; RICHTER, Sandra Regina Simonis. Campos de Experiência: Uma possibilidade para interrogar o currículo. In: Finco, Daniela; Barbosa, Maria carme Silveira; Faria, Ana Lucia Foulart (org.). Campos de experiências na escola da infância; contribuições italianas para inventar um currículo de educação infantil brasileiro. Campinas: Leitura Crítica, 2015. p. 185-198.

BRASIL. CNE. Resolução CNE/CP n] 2, de 22 de dezembro de 2017. Institui e orienta a implantação da Base Nacional Comum Curricular, a ser respeitada obrigatoriamente ao longo das etapas e respectivas modalidades no âmbito da Educação Básica. Diário Oficial da União.

______. Conselho Nacional de Educação; Câmara de Educação Básica. Parecer nº 11, de 7 de julho de 2010. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental de 9 (nove) anos. Diário Oficial da União, Brasília, 9 de dezembro de 2010, seção 1, p. 28.

_______.Constituição (1988). Constituição da República federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988.

_______.MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. A base Nacional Comum Curricular. 2018. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/conselho-nacional-de-educacao/base-nacional-cmoum-curricular-bncc Acesso em novembro de 2020.

______. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 de dez. 1996.

______. Lei nº 11.274, de 6 de fevereiro de 2006. Altera a redação dos arts. 23, 30, 32 e 87 da Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, dispondo sobre a duração de 9 (nove) anos para o ensino fundamental, com matrícula obrigatória a partir dos 6 (seis) anos de idade. Diário Oficial da ||União, Brasília, DF, 7 fev. 2006.

LIBÂNEO, J. C. O dualismo perverso da escola pública brasileira: escola do conhecimento para os ricos, escola do acolhimento social para os pobres. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 38, n. 1, p. 13-28, jan.-mar. 2012.

_______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais para a Educação Infantil. Brasília, DF: MEC/SEB, 2010.

CAMPOS, Rosânia; BARBOSA, Maria Carmem Silveira. BNCC e educação infantil Quais as possibilidades? Revista retratos da Escola, Brasília, v.9, n. 17, p. 353-366, jul./dez. 2015. Disponível em:

DEWEY, John. A Educação como reconstrução da experiência. In: Westbrook, Robert et ali (org.). John Dewey (Coleção Educadores). Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana, 2010, pp. 33-39.

HADJI, C. A avaliação – regras do jogo: das intenções aos instrumentos. Portugal: Porto Editora, 1994

IABEL, Leila A. Castillo. Ensinando e Aprendendo: “gerundiando” na busca coletiva da construção do conhecimento. Espaço Inovação – Revista Pedagógica – Ano 3 – nº 5, dezembro, 2006/ disponível em: http://www.assers.org.br

_____. Leila de Almeida Castillo (2011). Relações de Ensinância e Aprendência através do uso das TIC’s. Texto Livre linguagem e tecnologia http:// periódicos.letras.ufmg.br/index.php/textolivre, 2011, v.4, n.1.

RABELLO, Nancy. O desenho infantil: entenda como a criança se comunica por meio de traços e cores. / Nancy Rabello – 2 ed. RJ: Wak Editora, 2014.

TEIXEIRA, Claudia Seixas. Coleção – A BNCC e você; um olhar pedagógico, v. 1. Belo Horizonte; Vereda, 2020.

Downloads

Publicado

2022-09-30