COOPERATIVISMO DE CRÉDITO: NOVOS PARADIGMAS DA ATUALIDADE

COOPERATIVISMO DE CRÉDITO: NOVOS PARADIGMAS DA ATUALIDADE

  • Vanderlei Da Silva Sampaio Faculdade Alfa
Palavras-chave: Cooperativismo crédito, novos paradigmas

Resumo

RESUMO: Este trabalho tem como objetivo refletir e investigar a temática do cooperativismo de crédito e suas praticidades nos cenários atuais, apresentando o histórico do cooperativismo, a sua participação no contexto social brasileiro e os novos paradigmas da atualidade. Dentro desse contexto o cooperativismo de crédito tem se tornado um fator de grande importância para toda a sociedade, principalmente pela prática de associação, na qual os participantes se reúnem formando uma cooperativa, onde os cooperados buscam subsídios para a manutenção de seus padrões socioeconômicos. Através da pesquisa bibliográfica, o estudo sobre o cooperativismo de crédito apresenta-se como uma alternativa viável dentro do sistema financeiro nacional, e é observado como uma das formas pela qual alguns setores da sociedade estão promovendo a “humanização” do sistema financeiro em todo o mundo, colocando os juros do crédito e a remuneração do capital em patamares mais justos. Nesse cenário, através desse estudo bibliográfico constata-se a importância do cooperativismo de crédito no contexto social brasileiro, como instituições financeiras, as cooperativas de crédito podem oferecer serviços aos seus associados, com custos inferiores aos praticados pelo sistema bancário convencional. Em síntese, as cooperativas de crédito prestam basicamente os mesmos serviços fornecidos pelos bancos. Além disso, o atendimento é personalizado, pois o cliente é o associado, sendo que as principais vantagens são quanto ao sistema de direção, as oportunidades de menores taxas nas operações de empréstimos, possibilidade dos associados se beneficiarem da distribuição de sobras ou excedentes.

PALAVRAS-CHAVE:Cooperativismo crédito, novos paradigmas.

Referências

BECHO, Renato Lopes. Tributação das Cooperativas. São Paulo: Saraiva. 2. ed. 1997.
COOPER A1 – Cooperativa de Crédito A1. Disponível em: http://www.coopera1.com.br/coop_sc.htm. Acesso em: julho/2010.

BEUREN,Maria. Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática. São Paulo: Atlas, 3° edição, 2006.
CERVO, AMADO L. BERVIAN, Pedro A. MetodologiaCientífica. 5ª ed. Ed. Pretice Hall. São Paulo. 2007.

Emilianoff: Teoria Econômica IV Emelianoff: Economic Theory of Cooperation. IV Emelianoff: Teoria Econômica da Cooperação. Ann Arbor. Ann Arbor. Michigan, 1942. Michigan, 1942.

BRASIL. EI 5.764/71. Define a Política Nacional de Cooperativismo, institui o regime jurídico das sociedades cooperativas, e dá outras providências. Disponível em: http://www.jucespbauru.com.br/cooperativa/cooperativa.htm.Acesso em: Julho/2010.
MEINEN, Ênio. Cooperativismo de crédito no direito brasileiro: raízes, evolução e particularidades. Porto Alegre: Sagra Luzzatto, 2002.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

PAGNUSSATT, Alcenor; Guia do Cooperativismo de Crédito. 1ª Ed. Porto Alegre, Rs: Sagra 2004.

PINHEIRO, M. A. H. Cooperativas de Crédito: História da Evolução Normativa no Brasil.

POLONIO, Wilson Alves. Manual das sociedades cooperativa. 2. ed. São Paulo:Atlas, 2002.

PORTO, W.S. Avaliação de desempenho de cooperativas de crédito rural baseada no uso do balanced scorecard: uma proposta de modelo. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2002.
SANDRONI, Paulo. Dicionário de Administração e Finanças. São Paulo: Editora Best Seller, 1996.

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. Disponível em http://www.sebrae.com.br/br/home/index.asp. Acesso em 20/07/2010.

SOARES, Michel André Felippe; MOREIRA NETO, Alfredo Lopes Da Costa; BERNARDO-ROCHA, Eliza Emília Rezende. Criação de cooperativa no Brasil.

SOUZA, Alzira Silva. Cooperativismo de Crédito, Realidades e Perspectivas. Rio de Janeiro, 1. ed., 1992.
Publicado
2019-11-07